Quebrar o silêncio dos homens que foram vítimas de abuso sexual


Quebrar o silêncio dos homens que foram vítimas de abuso sexual

À conversa com…
Ângelo Fernandes
Quebrar o Silêncio (site)
Quebrar o Silêncio (Facebook)

910 846 589
ajuda@quebrarosilencio.pt

Data
4 de Fevereiro 2017

Entrevista

Isabel Freire

 

Ângelo Fernandes fundou em 2016 a associação Quebrar o Silêncio, que se dedica a apoiar homens que tenham passado por uma experiência traumática de abuso sexual. “Quando tinha 11 anos, um amigo da minha família abusou sexualmente de mim durante meses. E durante mais de 20 anos carreguei em silêncio esse peso, vergonha, culpa e nojo. Tudo sentimentos que não eram meus, mas que carreguei comigo sem compreender porquê. Infelizmente, em Portugal não havia com quem falar ou a quem pedir ajuda; encontrei essa ajuda apenas quando vivia no Reino Unido, após pesquisar sobre associações de apoio a homens vítimas de abuso sexual”.

Que problemáticas de abuso sexual estão cobertas pelo apoio da Quebrar o Silêncio? Também a violação? Ou o assédio sexual no trabalho?
A associação Quebrar o Silêncio foi criada para colmatar uma necessidade sem resposta em Portugal: criar um espaço exclusivamente dedicado a ajudar homens que tenham passado por uma experiência traumática de abuso sexual. Trabalhamos com todas as formas de abuso sexual relativas ao abuso sexual masculino.
 
De que formas a vítima pode entrar em contacto convosco?
Através do nosso site, telefone 910 846 589, e-mail ajuda@quebrarosilencio.pt ou através do serviço de mensagens privadas do Facebook.

Que ajuda disponibiliza a Quebrar o Silêncio às vítimas de assédio sexual jovens? E aos adultos que vos procuram?
A associação disponibiliza as seguintes formas de ajuda: grupos de apoio, psicoterapia e apoio entre pares.

Desde quando funciona a V/ Associação?
Há quase um ano que os primeiros contactos foram feitos em nome deste projeto. Legalmente constituída a 16 de Novembro de 2016 e publicamente lançada em Janeiro deste ano.

Como tem sido a procura de apoio desde então?
Na semana seguinte à divulgação pública da Associação chegaram até nós 16 casos.

Que técnicos têm a trabalhar?
De entre os associados fundadores, conta-se com formação em diversas áreas (direito, comunicação, educação, etc). Contamos também um apoio de psicologia clínica em regime de voluntariado.
 

Que organizações têm como parceiros?
Desde a sua criação que a Quebrar o Silêncio trabalha em rede com a Survivors Manchester (Reino Unido), Living Well (Austrália), 1in6 (Estados Unidos da América), SurvivorsUK (Reino Unido), The Next Step (Estados Unidos da América), entre outras, de forma a aproveitar o conhecimento e o trabalho já desenvolvido noutros países por essas associações.